Bolo de Chocolate sem Glúten Delicioso!!

Esse bolo não usa trigo nem outro ingrediente com glúten, uma delícia que todos podem comer!!.

Risoto de Quinoa Gostoso...

5 Uma receita de risoto que de "risoto" somente o nome, pois não usa arroz, porém uma delícia para saborear.

Danoninho Caseiro Fácil!!

Receita fácil de fazer e que vai agradar a criançada.

Pizza Enrolada Deliciosa...

Sacarina, Ciclamato, Aspartame, Stevia, Sucralose, Frutose etc. Qual o mais saudável?.

Veja esta receita de Empadão de Frango!!

Nesta receita você encontrará ingredientes saudáveis e funcionais como banana, amaranto, castanha do pará, etc. Faça você mesmo, fácil e delicioso.

quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

CHESTER AO SUCO DE LARANJA

100_5067_GF

INGREDIENTES:

1 Ave Chester ou similar

400 ml de suco de laranja

200 ml vinho branco

250 ml de caldo de legumes ou frango

Sal

Pimenta do Reino

1 cebola

 

MODO DE PREPARO:

Misture todos os ingredientes líquidos. Tempere a ave com sal e pimenta a gosto. Coloque a ave em um recipiente ou saco plástico e acrescente a mistura líquida e deixe marinar de um dia para o outro. Retire a mistura da ave e reserve para regar a ave enquanto assa. Coloque a cebola inteira, mas descascada no interior da ave, disponha em um refratário e cubra com papel alumínio. Leve ao forno 200 º por mais ou menos 2 horas. Retire o papel alumínio e retorne  ao forno por mais ou menos 1 hora ou até dourar, regando sempre com a mistura da marinada.

quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

COLORÍFICO OU COLORAU

Colorau

Colorífico

Também conhecido como colorau, dá cor apetitosa realçando um tom vermelho-alaranjado nas carnes, arroz, frango, peixes, caldeiradas e moquecas. Usado também para o preparo de picadinhos de carnes, sopas e molhos em geral.

O mesmo Urucum que os índios usam para tingir a pele. O pó bem fino extraído de sementes proporciona uma cor muito atraente ao arroz, molhos e carnes. A maneira mais fácil de utilizar o Colorau em casca é deixar a semente em infusão no óleo. Umas gotinhas e pronto. Ou então comprá-lo já industrializado. Nas feiras, este tempero é vendido solto. A planta no jardim fica bem decorativa.

Você já viu aquela cor amarelada da margarina? Pois é colorau. Utilizado em uma infinidade de produtos alimentícios industrializados. Colorau tem a cor alaranjado ao Vermelho. Mais claro que a páprica, não tem um sabor ou aroma característico, mas é ótimo para dar mais cor a molhos, caldos, recheios. Quando quiser uma cor laranja-avermelhada, sem usar extrato de tomate, use o Colorau.

Pode ser extraído do pimentão vermelho ou das sementes do urucuzeiro, árvore nativa brasileira. Emprega-se para dar coloração vermelho-alaranjada a arroz, patês, molhos, aves e carnes de todos os tipos, na tradicional moqueca capixaba e em outras receitas.

domingo, 9 de dezembro de 2012

ESPAGUETE AO FILÉ MIGNON

100_5365_GF

INGREDIENTES:

1 pacote de espaguete 9 (500g)
3 colheres (sopa) de azeite
300 g de tiras de filé mignon
100 g de cogumelos
2 xícaras (chá) de vinho tinto
1 xícara (chá) de água
1 colher (sopa) de farinha de trigo
Sal e pimenta a gosto

MODO DE PREPARO:

Cozinhe o espaguete conforme as instruções da embalagem. Tempere as tiras de filé mignon com sal e pimenta a gosto. Em uma frigideira grande, fogo médio, aqueça o azeite e doure levemente as tiras de filé mignon. Retire da frigideira e reserve. Na mesma frigideira, junte o trigo, mexendo até que doure levemente. Adicione a água e o vinho. Mexa até obter um molho aveludado. Junte os cogumelos e as tiras de filé mignon e deixe cozinhar por cerca de 1 minuto. Ajuste o sal e pimenta. Acrescente o espaguete e misture levemente, para que envolva ao molho.

terça-feira, 27 de novembro de 2012

HARMONIZAÇÃO DE VINHOS E COMIDAS

Foto Vinho

A Enogastronomia

Há séculos o vinho é o acompanhante ideal para as refeições. Na Europa, as famílias produziam seu vinho caseiro a partir de pequenos vinhedos em suas terras, tendo sempre sua garrafa à mesa.

Com a evolução da vinicultura, uma grande diversidade de vinhos se tornou disponível, a partir de diversas variedades de uva cultivadas, de métodos diferenciados de elaboração e da importação de vinhos de outras regiões.

O conceito de Enogastronomia envolve a escolha pormenorizada de vinhos, a partir de suas características gustativas, para acompanhar pratos elaborados das culinárias tradicional, regional e criativa, ressaltando suas características e criando um conjunto sensorial de grande prazer.

As sugestões aqui apresentadas não constituem regras absolutas, mas apenas uma diretriz para suas experiências pessoais de combinação de vinhos e pratos. A preferência pessoal e a criatividade certamente o levarão a novas descobertas nessa apaixonante e rica área de pesquisa e prazer.


Antes das Refeições – Aperitivo

Espumante Brut

Champagne, Sekt, Cava, Vin Mousseux, Prosecco, Blanquete de Limoux, etc.

Vermute seco

Martini, etc.

Fortificado seco

Jerez (Espanha), Porto branco seco (Portugal).

Vinho branco seco

Chardonnay, Sauvignon Blanc, Pinot Grigio.

Na Sobremesa

Vinho Branco Doce de Qualidade

Sauternes (França) , Alsace (Vendange Tardive e Séletion de Grains Nobles), Tokay (Hungria) e os alemães com os predicados ("mit Predikat"): Auslese, Beerenauslese, Trockenbeerenauslese e Eiswein.

Vinho Fortificado Demi-sec ou doce

Porto (Ruby, Tawny, LBV, Vintage, etc.), Jerez(Amoroso, Oloroso ou Cream); Madeira (Verdelho, Boal ou Malmsey), Moscatel de Setúbal, Banyuls, Moscato d`Asti, Banyuls, Marsala, Málaga (Lagrima Christi), etc.

Espumante Demi-sec ou doce

Asti (italiano), Cava (espanhol), Champagne Doux(francês), Sekt Suß (alemão), Blanquete de Limoux (francês) e outros espumantes.

Como Digestivo

Destilados de uva

Cognac, Armagnac e Marc (franceses), Bagaceira (portuguesa), Grapa ou Graspa(italiana), etc.

ÀS REFEIÇÕES

Peixes e Frutos do mar

Grelhados ou em molho leve ou crus (sushi)

Espumante brut ou demi-sec.
Vinho branco seco frutado jovem ou levemente maduro.
Evitar os vinhos brancos com presença de madeira (fermentados ou maturados em barrica), exceto no caso de peixes defumados.

Em molhos fortes

Branco maduro de boa estrutura.
Rosé seco de qualidade.
Tinto jovem de leve ou médio corpo.

Bacalhau

Tinto jovem ou de médio corpo.
Branco maduro, de bom corpo.

Anchova, atum, salmão e sardinha

Tinto jovem ou de médio corpo.
Branco maduro.
Rosé de boa estrutura.

Carnes Brancas

Grelhadas ou em molho leve

Espumante brut .
Branco seco de boa estrutura, jovem ou maduro.
Tinto jovem ou de médio corpo.

Grelhadas em molho forte

Tinto maduro de médio corpo a robusto.

Caças de penas, Pato, Coq au Vin

Tinto maduro de médio corpo a robusto.

Peru

Tinto leve ou de médio corpo.
Branco seco de boa estrutura.

Foie Gras

Branco doce de alto nível(Sauternes, Tokay, etc.).
Fortificado doce (Porto Vintage, LBV, Colheita, etc.).
Espumante de qualidade (Champagne Milesimé, Espumante Tradicional, etc.).

Carnes Vermelhas

Grelhadas ou em molho leve

Espumante brut.
Tinto jovem leve ou de médio corpo.

Em molho forte

Tinto maduro de médio corpo a robusto.

Caças de pelo

Tinto maduro robusto.

Massas

Em molho leve ou branco

Espumante brut.
Branco jovem ou maduro.
Tinto jovem leve ou de médio corpo.

Em molho condimentado ou vermelho

Espumante brut de boa estrutura.
Tinto maduro de médio corpo a robusto.

Queijos

Fresco de massa mole

(Frescal, Ricota, Requeijão).
Branco ou tinto jovem e leve.

Fresco de massa filada

(Mozzarela)
Branco ou tinto jovem e leve.

Maturado de massa mole

(Brie, Camambert e Coulommiers).
Branco maduro.
Tinto jovem a maduro encorpado.

Maturado de massa filada

(Provolone).
Branco maduro.
Tinto jovem ou pouco envelhecido.

Maturado de massa cozida

(Emmental, Gouda, Reino, Prato, Saint-Paulin, Tilsit, Port-Salut)
Tinto maduro de bom corpo.

Maturado de massa semidura

(Roquefort, Gorgonzola, Stilton, Danablue)
Tinto maduro robusto.
Branco doce superior.
Fortificado doce.

(Parmesão, Pecorino)
Tinto maduro robusto.
Fortificado.

Observação

Espumantes de qualidade, em especial os Champagnes, combinam com todos os tipos de queijo.

Alimentos que não combinam com vinho

O assunto é bastante polêmico.
Os alimentos aqui mencionados são citados em diversas fontes da literatura enogastronômica.
Alguns desses alimentos podem combinar com certos vinhos conforme sua preparação e acompanhamentos, estão sublinhados.

Temperos acentuados

curry, dendê, shoyu, wasabi, etc.

Alimentos ácidos

vinagre, limão, laranja, grapefruit, kiwi, etc.

Algumas verduras e legumes

alcachofra, aspargo, couve, etc.

Outros

ovo, chocolate, sopa, feijoada.

Fonte: http://www.academiadovinho.com.br/_deg_harmonizacao.php

domingo, 25 de novembro de 2012

MAÇÃ COM GELATINA LIGHT

Sobremesa de maçã

Dizem que aparência é tudo, se essa máxima é verdadeira não sei, mas neste caso podemos dizer que sim, pois só de olhar para essa sobremesa dá água na boca. Os detalhes primorosos dessa sobremesa só poderiam ter vindo da Rina Coutinho, que algumas vezes me dá o prazer de ceder algumas receitas para que eu possa compartilhar com os leitores.

INGREDIENTES

8 maçãs

2 caixas de gelatina de morango light

2 xícaras de água

8 paus de canela

8 cravos-da-índia

8 folhas de hortelã

MODO DE PREPARO

Descasque as maças e retire as sementinhas. Dissolva 2 caixas de gelatina de morango light em 2 xicaras de água. Coloque as maçãs em um panela grande e acrescente a gelatina, 8 paus de canela e 8 cravos-da-índia. Deixe cozinhar, virando as maçãs pra que fiquem vermelhas por igual sem deixar ficar muito mole. Levar pra gelar. Quando for servir, colocar os paus de canela como se fossem os cabinhos da maçã e colocar folhas de hortelã. Simples, não? Bom apetite.

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

CRAVO-DA-ÍNDIA

Cravo

Cravo-da-índia (Syzygium aromaticum)

O cravo tem origem nas Filipinas e nas Ilhas Molucas e é utilizado há milênios na preparação de perfumes e como tempero. Na Europa era uma raridade, passando a ser importado pelos portugueses após descobrirem o caminho marítimo para as índias.

Os cravos estão disponíveis inteiros ou moídos e podem ser usados em doces de compota, pudins, bolos, pães, vinhas d’alhos, peixes, molhos chutneys, etc.

A semente, com o cabinho, é decorativa e aromática. Bom para doces brasileiros e compotas. Em pó tem sabor forte, ao mesmo tempo doce e picante. Tem que ser usado com moderação em bolo de carne, caldos, ensopados e chás.

Tem a forma de um pequeno botão de flor e aroma forte e picante. Utiliza-se inteiro em doces de frutas, sejam em calda ou em pasta. É empregado também em bebidas, como quentão e vinho quente à brasileira. Em pó (pequena quantidade), serve para temperar carnes, ensopados e recitas de bolos, tortas e pães.

quinta-feira, 15 de novembro de 2012

LAGARTO AO ALECRIM

100_5083_GF

INGREDIENTES

1 colher (sopa) de óleo
1 cebola picada em pedaços médios
3 dentes de alho picados
1 pimenta de cheiro picada em pedaços médios
1 pimenta dedo-de-moça picada em pedaços médios
2 litros de água quente
¼ xícara (chá) de mostarda
½ xícara (chá) de molho shoyu
alecrim e sal a gosto
1,5 kg de lagarto redondo congelado
salsinha picada a gosto

MODO DE PREPARO

1°- Numa panela coloque 1 colher (sopa) de óleo, 1 cebola picada em pedaços médios, 3 dentes de alho picados, 1 pimenta de cheiro picada em pedaços médios, 1 pimenta dedo-de-moça picada em pedaços médios e refogue por +/- 5 minutos, em fogo médio.
2°- Junte 2 litros de água quente, ½ xícara (chá) de mostarda, 1 xícara (chá) de molho shoyu, alecrim e sal a gosto, deixe em fogo alto até ferver. OBS.: Cuidado com a quantidade de sal porque o shoyu é salgado e o molho vai reduzir muito no final.
3°- Quando a marinada ferver, apague o fogo e coloque a peça de 1,5 kg de lagarto redondo congelado. Deixe a carne nesta marinada por +/- 1h ou até esfriar.
4°- Leve a panela novamente ao fogo alto, quando ferver abaixe o fogo, mantendo a fervura e deixe cozinhar por +/- 3 h ou até a carne ficar macia. Retire a carne da panela e espere esfriar para fatiar. Mantenha o caldo no fogo e deixe reduzir até encorpar.
5°- Fatie a carne, disponha as fatias em um refratário, cubra com o caldo e leve ao forno a 180°C por +/- 15 minutos. Salpique salsinha picada a gosto, sirva com batatas coradas e arroz branco.

fonte: mais você.

quarta-feira, 7 de novembro de 2012

GENGIBRE

Gengibre

Gengibre

É uma planta tropical semelhante ao junco, cuja raiz é utilizada como especiaria. Tem origem na Índia e Malásia e já era utilizado pelos romanos e n Japão e China há milênios. Raiz de sabor extraordinário, adocicado e picante. Ralado é imprescindível no vatapá. Dá um gostinho especial em pratos de carne moída, peixes e camarão. É uma Erva muito utilizada na cozinha brasileira, principalmente no Norte do Brasil.  Mas é forte, doce e picante, semelhante ao Quentão. É um tempero muito utilizado em pó, principalmente na Europa e Estados Unidos em doces, bolos e pães. Excelente no preparo de conservas, picles e ‘chutneys’.

Raiz de sabor um pouco azedo e picante. Assim é o gengibre, utilizado em pratos orientais. Acha-se dele seco ou fresco. Fresco, utiliza-se ralado ou amassado, temperando peixes e aves, ao invés de usar o alho. Um bom parceiro do gengibre é a raiz de Coentro. Seco, pode se temperar sopas e caldos.

A raiz do gengibre tem sabor picante e aroma muito acentuado. No norte do Brasil, ela é usada para temperar alguns pratos típicos, como a moqueca de peixe e o tradicional quentão. Na culinária oriental, é um dos ingredientes de base. Indispensável como acompanhamento para sushis e sashimis. Em pó, pode ser utilizado como aromatizante para biscoitos, bolos e tortas

Sua raiz fresca é nodosa e possui uma casca bege. Quando nova, possui a casca clara e a polpa suculenta e macia. Tem sabor forte e adstringente, levemente picante. Oferece uma poderosa ação antibactericida e desintoxicante contra toxinas de peixes. A raiz fresca pode ser usada em pedaços, em fatias ou raladas. É encontrado também em pó, em conserva doce ou salgada ou em forma de cristais.

quinta-feira, 1 de novembro de 2012

CURRY OU CARIL

Curry

Curry ou Caril 

Mistura de especiarias e ervas de origem indiana, conhecida na Índia como Massala. É uma mistura de vários temperos e condimentos e pode variar totalmente de um prato para outro e cada dona de casa tem sua própria receita de curry. O curry é um pó saboroso que mistura especiarias de sabores distintos. A base é a cúrcuma. Dependendo da região em que é fabricado, recebe ingredientes diferentes. Existem misturas que contem até 16 diferentes especiarias e ervas. A receita básica, original da Índia, leva pitadas de cúrcuma, cardamomo, coentro, gengibre, noz moscada, cravo da índia, pimenta do reino e canela. Algumas combinações encontradas no Brasil têm cominho, feno-grego, mostarda, canela e louro. Uma boa dica é usar o ingrediente com frango e legumes.

Em pó, muito picante, parece bastante em cor com o açafrão em pó. Realça o sabor dos alimentos e é bastante utilizado para temperar pratos de carne, aves, peixes, molhos bem como em arroz, sopas, cremes, casseroles, queijos, legumes, camarões, ovos e canapés.

segunda-feira, 22 de outubro de 2012

COMINHO

Cominho

Cominho (Cominum cyminum)

O cominho é utilizado desde a Antiguidade na Europa e na Ásia e há registros de seu cultivo pelos celtas. Por aqui, a planta, famosa por seu sabor pronunciado, é mais usada na culinária nordestina - peixes e frutos do mar combinam com o aroma do ingrediente. Também há quem use a erva para fazer tempero de conservas e na massa de pães. A folha da planta também pode ser tritura e misturada com pimenta do reino, formando um excelente tempero. Atenção na hora de dosar a pitada: o cominho é muito forte. Na Europa o ingrediente também aparece em salsichas e embutidos e até mesmo em licores. De sabor forte, deve ser usado em pequenas quantidades em pratos à base de queijos, ovos, carnes, oves, batotas e legumes. Também recomendado no preparo de molhos e pães. Vai bem até no feijão. As sementes moídas são muito usadas para o tempero de picles.

As folhas de Cominho são bastante aromáticas, sendo um tempero importante na cozinha Nordestina. Experimente antes de usar, pois o gosto do Cominho é forte. Utilizado para perfumar pães, o Cominho é adicionado diretamente à massa.

É uma planta herbácea de raízes finas e ramificadas em segmentos finos e possui flores brancas ou rosadas. Nessas flores, encontram-se suas sementes, que são muito aromáticas.

Em grãos, inteiros e moídos, pode ser usado em carnes, aves, sopas, queijos, pães e licores. Faz parte da mistura de condimentos indiana curry e o tempero marroquino ras-el-hamout, uma mistura de cerca de 50 ingredientes.

quarta-feira, 17 de outubro de 2012

LAGARTO AO MOLHO DE ALCAPARRAS

100_3685_GF

INGREDIENTES

1 ½ kg de lagarto;

1 xícara de vinagre de vinho tinto (ou vinho branco);

1 xícara de água (usei a do cozimento);

1 xícara de azeite;

2 colheres (chá) de sal;

1 ½ colher (sopa) de alcaparras;

½ xícara de azeitonas pretas picadinhas;

1 colher (chá) de raspas de limão;

1 ½ xícara de tomate sem pele e sem semente picados;

cenoura e brócolis cozidos al dente (não utilizei);

Acredito que os ingredientes variam conforme o gosto de quem faz, tipo assim: utilizei meia cebola... poderia ter colocado uns dentes de alho picadinhos. Ia ficar mais picante.

MODO DE FAZER

Cozinhe o lagarto em 1 ½ litro de água em panela de pressão por 40 minutos. Escorra. Leve ao freezer por 4 horas, Retire, corte pedaços bem fininhos. Junte os ingredientes, fazendo camadas de molho e de carne. Deixe na geladeira e pode ser servido com pão para o lanche.

quarta-feira, 10 de outubro de 2012

BRANDADE DE BACALHAU

100_5948_GF

Jantar caprichado precisa começar bem. Esta brandade é uma entrada clássica. Servida em porções menores, vira um luxuoso canapé.

INGREDIENTES

400 g de bacalhau desfiado

500 g de de batata

2 dentes de alho

1/4 maço de salsinha

1/2 xícara (chá) de creme de leite fresco

sal e pimenta-do-reino a gosto

noz-moscada a gosto

2 colheres (sopa) de azeite de oliva

6 fatias de pão torrado (de sua preferência)

MODO DE PREPARO

1. Se o bacalhau estiver salgado, coloque-o numa tigela com bastante água. Troque a água da tigela de 1 em 1 hora, durante 5 horas.

2. Faça um purê com as batatas. Numa panela, coloque as batatas, cubra com água e leve ao fogo alto. Quando ferver, abaixe para fogo médio e deixe cozinhar por 30 minutos ou até que estejam macias. Retire do fogo e escorra a água. Deixe esfriar o suficiente para conseguir manusear. Descasque as batatas e amasse com um garfo ou passe pelo espremedor.

3. Pré-aqueça o forno a 180ºC (temperatura média).

4. Descasque os dentes de alho. No processador de alimentos, coloque o purê de batatas, o bacalhau, o alho e o creme de leite. Tempere com sal, pimenta-do-reino moída na hora e noz-moscada ralada. Bata em velocidade alta até obter uma massa homogênea.

5. Transfira a massa para uma travessa refratária. Leve-a ao forno preaquecido e deixe assar até dourar.

6. Lave e seque bem a salsinha. Separe os raminhos com as mãos.

MONTAGEM

Espalhe a massa de peixe generosamente sobre as fatias de pão torrado. Regue com o azeite de oliva e decore com os raminhos salsinha. Sirva a seguir.

Fonte: Chef Clo Dimet

domingo, 7 de outubro de 2012

COENTRO

Coentro

Coentro (Coriandrum sativum)

Do latim coriandrum, significa “cheiro de percevejo” devido ao aroma forte exalado por todas as partes verdes da planta. Os grãos, por sua vez, possuem aroma agradável, principalmente depois de secos. Tem origem no oriente Médio, foi levado para a Europa pelos romanos que, para conservar carnes, esfregavam-na com uma mistura de coentro, vinagre e cominho.

Da família dos Cheiros Verdes, parente da salsa, com sabor e perfume mais estimulantes. A folha de Coentro é um tempero indicado para pratos de peixe e frutos do mar, principalmente no Norte do Brasil. A semente inteira é utilizada no preparo de ponches, pickles, doces e no café. A semente de Coentro é industrialmente utilizada na produção de salsichas, linguiças e mortadelas. A semente moída, esfregada em carne de porco ou frango, antes de assar, é sensacional; excelente também para molho de carnes.

Há quem torça o nariz e não suporte um pedacinho sequer de folha de coentro. Mas também há aqueles que temperam da moqueca ao simples feijão com bons punhados do tempero. O famoso cheiro-verde, tão usado nos pratos tradicionais do nordeste, começou a ser cultivado no sul da Europa e no Oriente Médio. Especula-se que o ingrediente tenha chegado por aqui na bagagem dos portugueses da região do Alentejo. Hoje, qualquer feira brasileira vende o ingrediente aos montes, mas o que poucos sabem é que a semente do coentro também pode ser consumida. Industrialmente ela é utilizada na fabricação de salsichas, mortadelas e outros embutidos. O tempero também é rico em vitaminas A, B1, B2 e C.

As folhas do coentro são aromáticas e podem ser empregadas para tempero de peixes e moquecas. É utilizado também em cozinhas mais exóticas, como a tailandesa e a mexicana.

Coentro (folhas): Da família dos cheiros-verdes, parente da salsa, com sabor e perfume bem estimulantes. A folha é indicada para pratos de peixe e frutos do mar. Deve ser usada com parcimônia, pois seu sabor é acentuado.

Coentro (sementes): A semente moída, esfregada em carne de porco ou frango, antes de assar, é sensacional. Bom também para molho de carnes. A semente inteira é usada no preparo de ponches, pickles, doces e no café. Também usado no tempero de peixes, carnes, aves, assados ou grelhados, molhos, sopas de feijão, lentilhas e legumes. Também muito utilizado em pratos da culinária baiana, destacando-se as moquecas e as caldeiradas de peixes e frutos do mar.

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

SUFLÊ DE CHOCOLATE LIGHT

100_5988_GF

INGREDIENTES

115 g de chocolate picado

500 ml de leite

Essência de baunilha

4 gemas

100 g de adoçante de frutose

60 g de farinha de trigo

6 claras

MODO DE PREPARO

Unte um refratário ou outra vasilha que queira com manteiga e polvilhe com o adoçante com a ajuda de uma pequena peneira, pois assim fica parecido com açúcar de confeiteiro.

Pré-aqueça o forno a 220 graus. Derreta o chocolate em banho-maria.

Ferva o leite junto com a baunilha.

Bata as gemas com o adoçante até ficar amarelo esbranquiçado.

Vá misturando em banho-maria as gemas ao leite, adicione o trigo (peneirado) e deixe engrossar.

Adicione o chocolate derretido, misture e deixe amornar.

Bata as claras em neve e misture 1/3 das claras como creme de chocolate, mas delicadamente com uma colher. Aos poucos vá adicionando o restante das claras.

Distribua a mistura no refratário e leve ao forno por 10 minutos. Diminua o forno para 190 graus e mantenha por mais 10 minutos.

Polvilhe o adoçante peneirado e sirva.

DICA

Eu experimentei gelado e gostei mais, mas fica a critério de cada um.

Obs.: A receita original tem como ingrediente o açúcar e açúcar de confeiteiro que eu substituí por adoçante de frutose.

Fonte: Gustavo Corrêa (Itamaraty Eventos)

segunda-feira, 1 de outubro de 2012

O que é produto light? Conheça as curiosidades dos produtos.

Verduras e legumes

Pra quem vê o monte de informação que os rótulos dos alimentos sempre trazem, é fácil se confundir às vezes. Produto light, diet, natural, zero, orgânico... É tanta coisa, que a gente corre o risco de levar gato por lebre. Mas pra te ajudar nessa, a gente resolveu falar um pouco sobre o assunto...

AFINAL, O QUE É UM PRODUTO LIGHT?

É o que tem pelo menos 25% de redução de algum nutriente ou das “calorias” em comparação com os similares do mercado ou com uma outra versão dele mesmo. Mas fique esperto: nem todo produto light é saudável de verdade. Às vezes a versão “original” pode estar tão lotada de sódio, gordura, açúcar ou outra coisa dessas, que a versão light nem representa uma redução tão grande do prejuízo...

DIET E LIGHT É A MESMA COISA?

De jeito nenhum. Enquanto no produto light o nutriente é só reduzido (mas ainda está presente), no diet ele é totalmente retirado. E pode ser qualquer nutriente. Isso mesmo, qualquer nutriente, e não necessariamente o açúcar, como a gente costuma ver por aí (produto diet sem açúcar é apenas um tipo de diet).

E aqui, mais uma vez vale o recado: nem tudo o que reluz é ouro! Nem tudo o que é diet faz bem! Isso vai depender do que se usa no lugar do ingrediente que foi tirado. Por exemplo, é muito comum produtos diet sem açúcar virem lotados de adoçantes artificiais e gorduras pra compensar a falta do açúcar.

O QUE É PRODUTO ZERO?

Zero e diet é praticamente a mesma coisa, pois eles não têm algum nutriente/ingrediente.

AGORA A MODA É... ORGÂNICO!

E cá entre nós, uma moda fantástica! Os orgânicos são produtos que não levam agroquímicos durante o cultivo (os famosos “agrotóxicos”) – lembrando que está mais que provado que esse monte de agroquímicos usados no Brasil faz um mal danado pra saúde. Além disso, os orgânicos são produzidos com um cuidado especial para preservar o meio ambiente e os direitos do trabalhador do campo.

E ESSE PAPO DE “CONTÉM GLÚTEN”, QUER DIZER O QUÊ?

O glúten é uma proteína natural do trigo, da aveia, da cevada e do centeio. Ela não necessariamente faz mal pra todo mundo, a não ser em casos de alergia ou pra quem tem doença celíaca (que é uma inflamação do intestino que aparece quando a pessoa come alimentos com glúten, e pode levar a diarreia, desnutrição e até morte, se não for cuidada). É por isso que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) exige que as empresas informem nas embalagens se o produto CONTÉM / NÃO CONTÉM GLÚTEN.

NATURAL TEM A VER COM INTEGRAL?

Não necessariamente, mas é bem comum o alimento ser natural e integral ao mesmo tempo. Natural é o mais próximo da natureza, que não recebe aditivos artificiais como corantes, conservantes ou aromas artificiais, que muitas vezes aparecem disfarçados em forma de siglas na lista de ingredientes – olha aí mais uma dica pra ficar de olho nos rótulos.

Já o alimento integral é o que preserva as principais partes, onde estão os seus benefícios. É o contrário do produto refinado/”branco”, que perde partes importantes (como o arroz branco ou mesmo a farinha de trigo branca) e não fazem nada bem pro nosso corpo. Hora da dica: pra ver se o produto é integral mesmo, leia a lista de ingredientes. Cada item da lista aparece em ordem decrescente de quantidade, o que significa que os primeiros são os que estão em maior quantidade. Açúcar e farinha branca, por exemplo, quanto mais próximos do fim da lista, melhor.

Fonte: http://www.maeterra.com.br/

quarta-feira, 26 de setembro de 2012

CARNE DE HAMBURGER CASEIRA

100_5982_GF

Ingredientes:

1 kg de carne moída (de boa qualidade);

½ cebola (picadinha ou ralada);

3 dentes de alho (triturado);

Cebolinha verde a gosto (pode ser desidratada);

Pimenta do reino a gosto;

Sal a gosto;

4 colheres (sopa) de azeite;

2 colheres (sopa) de molho inglês (opcional);

Modo de Preparo:

Misture todos os ingredientes à carne moída mexendo bem com as mãos. Depois com a ajuda de um molde faça a modelagem da carne. Detalhe, o azeite serve para não deixar a carne ressecada e cozinha-la por dentro, principalmente se assá-la no forno, como costumo fazer, pois assim não espalha cheiro de fritura pela casa e fica mais saudável. Quando for fazê-la no forno pincele um pouco de azeite em volta da carne, pois assim ela fica dourada e crocante, uma delícia.

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

ZAATAR

Zahtar

 

Za'atar (em árabe زعتر; em hebraico: זעתר), também zátar ou zaatar, é uma mistura de especiarias usada como condimento e originária do Oriente Médio.

Condimento salgado da culinária árabe e libanesa, é uma mistura de ervas (como o hissopo e o tomilho) e especiarias (como o gergelim e o sumagre). Pode ser usado para fazer pães ou na fabricação do queijo árabe chancliche. O mais popular tempero da cozinha árabe. É salpicado em carnes e vegetais ou usado para patês. Pode ser misturado com azeite de oliva a distribuído no pão sírio ou massa de esfiha antes de assar.

O za'atar é uma mistura de especiarias usada como condimento e originária do Oriente Médio, costuma estar composto de tomillo, zumaque (Rhus coriaria), sementes desésamo tostadas ou não tostadas e sal. E em algumas ocasiões empregam-se ervas tais como: Satureja montana, orégano, hisopo, comino, hinojo.

quarta-feira, 19 de setembro de 2012

COUVE-FLOR GRATINADA

100_5971_GF

Ingredientes:

5 unidades couve-flor pequena;

1/2 xícara de queijo ralado para polvilhar;

2 xícaras de leite;

1/2 cebola;

2 ovos;

4 colheres (sopa)de manteiga;

4 colheres (sopa) de farinha de trigo;

Sal a gosto;

Pimenta do reino a gosto.

Modo de Preparo:

Cozinhe a couve flor em água e sal por 15 minutos e reserve. Bata no liquidificador todos os ingredientes menos a cebola, a manteiga e o queijo e reserve. Em uma panela refogue a cebola com a manteiga e vá juntando a mistura batida no liquidificador mexendo sempre até que se forme um creme. Coloque a couve flor em um refratário despeje o creme por cima. Polvilhe queijo ralado e asse até dourar.

domingo, 16 de setembro de 2012

Sal

Sal

Sal

Tempero usado, mundialmente, em quase todos os pratos. De sua exata dosagem depende o sucesso ou o fracasso de um prato. Entra também na composição de muitos doces, pois realça o sabor. Pode não parecer, mas esse elemento básico em todas as receitas tem mais variações do que se pode imaginar. É encontrado em várias formas: refinado, marinho, grosso e em pedras. O clássico, usado no dia a dia, é o sal marinho refinado industrialmente e o mais indicado para a culinária, pois proporciona à receita um sabor bastante agradável e pouco ácido. Feito a partir da evaporação da água do mar, ele passa por um processo para ficar mais fino e ganhar iodo, uma exigência do governo brasileiro para evitar o bócio, doença que provoca o aumento da tiroide. Veja, abaixo, outros tipos de sal.

Sal defumado

Em francês é o fummé de sel, um dos sais mais cobiçados pelos chefs de cozinha. A técnica de extração é a mesma da flor de sal. Mas, dizem, é resultado da colheita de uma camada ainda mais fina que cobre a superfície das salinas. Depois de recolhido, é defumado com fumaça fria, resultado da queima de diferentes materiais, tudo depende do sabor desejado. Franceses usam barris de carvalho utilizados no envelhecimento do vinho chardonnay. Outros fabricantes preferem diferentes madeiras aromáticas. O sal defumado também deve ser usado na finalização dos pratos.

Sal gema

Os cristais desse tipo de sal são extraídos de jazidas terrestres. Para ser denominado como tal, a pedra precisa combinar cloreto de potássio, cloreto de magnésio e cloreto de sódio. Alguns médicos não recomendam a ingestão prolongada do produto, já que contém menos elementos nutritivos que o marinho. Na culinária é usado em pratos mais refinados por ter um sabor mais marcante.

Sal grosso

É a forma não refinada do sal de cozinha comum. Muitos também passam por processo industrial, portanto, não é igual ao sal marinho. É usado principalmente para temperar carnes de churrasco, pois deixa o alimento mais saboroso por criar uma espécie de crosta. Algumas pessoas também o colocam em moedores para usá-lo em saladas.

Sal koscher

Usado tradicionalmente na culinária kosher, especialmente no preparo de carnes. Ao contrário do refinado, não leva iodo e tem uma capacidade impressionaste de absorver líquidos. Alguns chefes usam o produto para acentuar o sabor dos alimentos.

Sal light

É o mesmo sal refinado comum, mas com o teor de sódio reduzido. Indicado para pessoas que precisam seguir uma dieta com restrição ao sal. Pode ser levado ao fogo ou consumido em saladas.

Sal marinho

Como o nome diz, também é extraído do mar, mas não passa pelo processo de refinamento que elimina elementos químicos como enxofre, bromo, magnésio e cálcio. Dependendo da região em que é produzido, pode mudar de cor. Alguns são levemente castanhos. Como os cristais são maiores, o melhor é colocá-lo em um moedor. Adeptos da culinária macrobiótica são fãs do produto e garantem que ele faz bem à saúde e é mais saboroso. Pode ser usado em todos os pratos.

quarta-feira, 12 de setembro de 2012

PÃO-DE-LÓ COM RECHEIO DE CHOCOLATE E NOZES LIGHT

100_5979_GF

INGREDIENTES:

Massa:

6 ovos;

2 1/2 xícaras adoçante frutose culinária;

3 xícaras de trigo;

1 colher de sobremesa de essência de baunilha;

1 colher de sopa de emulsificante;

2 colheres de sopa de fermento em pó;

Guaraná Diet (para molhar a massa).

Recheio de Chocolate e Nozes:

200g de chocolate em barra diet;

150 ml de creme de leite;

50g de nozes picadas.

Cobertura de Chocolate:

1 caixa de creme de leite (se for de latinha tirar o soro) (fresco é mais saboroso);

4 colheres (sopa) achocolatado diet;

1 colher (sopa) de adoçante frutose culinária.

MODO DE PREPARO:

Massa:

Bata os ovos por uns 3 minutos. Acrescente os outros ingredientes e misture com uma espátula. Bata na batedeira os ingredientes ora misturados por 10 minutos. Espalhe a massa em uma forma grande untada e asse a 180° por 35 minutos.

Recheio de Chocolate e Nozes:

Derreta a barra de chocolate picada em banho-maria, acrescente o creme de leite e logo após as nozes.

Cobertura:

Coloque tudo na panela e deixe ferver aproximadamente uns 5 minutos, sempre mexendo, espalhe sobre o bolo assim que estiver pronto com o recheio.

MONTAGEM:

Assim que o bolo esfriar, divida-o em 2 partes iguais. Com a primeira parte faça a base e molhe a massa com guaraná. Espalhe o recheio sobre a base. Molha a segunda parte com guaraná e coloque-a sobre a outra parte com o recheio. Em seguida coloque a cobertura de chocolate.

DICA:

Servido gelado fica mais saboroso.

segunda-feira, 10 de setembro de 2012

MANJERICÃO

Manjericão

Manjericão (Ocimum basilicum)

A erva é bem popular no Brasil e pode ser cultivada facilmente em qualquer vasinho. Também é conhecida como alfádega, alfavaca, alfavaca-cheirosa, basilicão, basílico-grande, erva-real, fiá-mosquito, entre outros. Planta herbácea conhecida desde a antiguidade, tendo origem na Índia e difundida entre gregos, egípcios e romanos. Seu caule é ereto e ramificado, atingindo até 1m de altura. Ganhou fama nas receitas mediterrâneas assim que chegou na Grécia. Combina com peixes, massas (incluindo a tradicional pizza margherita), saladas e pratos à base de tomate. Também sofre variações, conforme região e solo. Atualmente, existem mais de 60 espécies diferentes de manjericão, com variações de cor, tamanho e forma das folhas, tamanho da planta e aroma. É possível encontrar espécies com folhas da cor roxa, como sua flor, com folhas grandes (o manjericão italiano ou gigante) e miúdas (anão). As espécies avermelhadas são as mais raras e aromáticas.

Na culinária, usam-se as folhas do manjericão, que apresentam sabor e aroma doce e picante característico. Seu sabor que fica no paladar por um bom tempo. Elas são utilizadas tanto secas quanto frescas, na preparação de pratos quentes ou frios, sendo amplamente aproveitadas em receitas de origem italiana, na composição de pestos e molhos. Essencial na vinha-d’alhos, pode combinar com pratos que levam tomate, azeite, limão, carnes vermelhas, massas e queijos.O ideal é picar e acrescentar ao final do cozimento. Se cozinhar ou assar demais pode ficar com sabor amargo.

sábado, 8 de setembro de 2012

ESTRAGÃO

Estragão

Estragão (Artemísia dracunculus)

Com folhas finas e esbranquiçadas, o estragão é pouco usado por aqui. As folhinhas de Estragão são muito parecidas com as de erva-doce. Na França, é um dos temperos mais recorrentes, adicionado aos pratos simples e requintados. Molhos à base de vinagre e cozidos de carne rendem boas combinações - experimente colocar algumas folhas em conservas. Mas tome cuidado ao usar a erva, o aroma do estragão é forte e, por isso, deve ser acrescentado somente na fase final da preparação do prato. As origens da erva não são muito certas. Acredita-se que ela começou a ser cultivada na Rússia e depois acabou se espalhando por toda a Europa.

As folhinhas de Estragão são muito parecidas com as de erva-doce. Estragão é perfeito para o tempero de carne de porco, galinha, ovos, peixe. Dá um sabor especial ao molho de saladas à base de vinagre, sopas e pasta de queijo. Ótimo bem picadinho junto com manteiga derretida, para derramar sobre aspargos, vagem, beterraba, ervilha ou espinafre. Ou ainda para passar sobre bifes prontos. Cautela pois o Estragão tem sabor muito forte.

quinta-feira, 6 de setembro de 2012

PÃO-DE-LÓ COM COBERTURA DE CHOCOLATE

100_5977_GF
Esta receita de pão de ló foi cedida gentilmente pela amiga Amy Oliveira, que foi a minha casa prepará-la com minha esposa.
 
INGREDIENTES:

Massa:
6 ovos;
3 xícaras de açúcar cristal;
3 xícaras de trigo;
1 colher de sobremesa de essência de baunilha;
1 colher de sopa de emulsificante;
1 colher de sopa de fermento em pó.

Cobertura de Chocolate:
1 caixa de creme de leite (se for de latinha tirar o soro) (fresco é mais saboroso);
4 colheres (sopa) achocolatado;
2 colheres (sopa) açúcar ou 1 de adoçante frutose culinário.

MODO DE PREPARO:

Massa:
Bata os ovos por uns 3 minutos. Acrescente os outros ingredientes e misture com uma espátula. Bata na batedeira os ingredientes ora misturados por 10 minutos. Espalhe a massa em uma forma untada e asse a 180° por 35 minutos.
 
Cobertura:
Coloque tudo na panela e deixe ferver aproximadamente uns 5 minutos, sempre mexendo, espalhe sobre o bolo assim que tirar do forno, se quiser coloque chocolate granulado.

quarta-feira, 5 de setembro de 2012

CEBOLINHA VERDE

Cebolinha  Verde

Cebolinha Verde

Tempero originário da Europa Ocidental, é conhecida e usada desde a Idade Média. Veio para o Brasil com os portugueses. Parente da cebola, mesmo aroma, mesmo sabor, mas menos marcante. Seu sabor é delicado e agradável. Pode ser usada como tempero para diversas receitas. Bastante utilizada na culinária típica brasileira, é um dos cheiros verdes e faz um bom par com a salsinha ou o coentro, não deve faltar nos refogados, molhos, vinhas-d’alhos e saladas. Muito usado em omeletes, molho vinagrete e molhos à base de creme de leite para peixes. Ótimo também em patês de ricota, queijo cremoso, sopas e saladas. Vai bem até em pastas de queijo, ou, bem picadinha, polvilhadas em pratos de forno.

Nos pratos chineses e japoneses a cebolinha é, de longe, um dos temperos mais usados. Com origem asiática, na culinária brasileira a erva foi incorporada aos pratos do dia a dia. Peixes, frangos e caldos combinam perfeitamente com seu sabor. Na feira é possível encontrá-la com o nome de cebolinha-verde ou, ainda, cebolinho. Por aqui, a espécie mais popular possui folhas longas e ocas e um pequeno bulbo. Mas há também a cebolinha francesa, também conhecida como ciboulette. As folhas bem fininhas servem para decorar pratos e seu aroma mais suave ajuda a realçar outros sabores. Em comum, os dois tipos são ricos em vitaminas A e C e possuem leve ação digestiva.

terça-feira, 4 de setembro de 2012

ZIMBRO

Zimbro

Zimbro:
É uma árvore de no máximo 5m de altura de frutas de cor púrpura, levemente macias e de sabor marcante e temperado. É um ótimo condimento pela mistura de sabores que oferece. Na Antiguidade, tinha o mesmo uso que a pimenta. Há diversas bebidas alcoólicas feitas com o uso do zimbro, como por exemplo o gim. Os pequenos frutos secos macerados e destilados dão a bebida chamada genebra, ou gin (que é um destilado de cereais infundido com zimbro para aromatizar). Valoriza bastante temperos de carnes. Faz parte do vinha-d’alhos.

É vendido em bagas, que servem para aromatizar carnes, caldos, cozidos e vinhas d’alhos, repolhos, etc. Quando moídas, seu sabor torna-se ainda mais exótico e tempera muito bem coelho, aves e animais de caça. Na Itália, usa-se muito no preparo da carne de porco-do-mato.

Principais utilizações: Para aromatizar bebidas alcoólicas caseiras, No cozimento do feijão, indispensável no chucrute, Cozidos de carne e frango. O gim pode ser usado para dar sabor a molhos de carne e também serve para flambar omeletes e bifes.

Compartilhar

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favoritos More