Bolo de Chocolate sem Glúten Delicioso!!

Esse bolo não usa trigo nem outro ingrediente com glúten, uma delícia que todos podem comer!!.

Risoto de Quinoa Gostoso...

5 Uma receita de risoto que de "risoto" somente o nome, pois não usa arroz, porém uma delícia para saborear.

Danoninho Caseiro Fácil!!

Receita fácil de fazer e que vai agradar a criançada.

Pizza Enrolada Deliciosa...

Sacarina, Ciclamato, Aspartame, Stevia, Sucralose, Frutose etc. Qual o mais saudável?.

Veja esta receita de Empadão de Frango!!

Nesta receita você encontrará ingredientes saudáveis e funcionais como banana, amaranto, castanha do pará, etc. Faça você mesmo, fácil e delicioso.

segunda-feira, 22 de outubro de 2012

COMINHO

Cominho

Cominho (Cominum cyminum)

O cominho é utilizado desde a Antiguidade na Europa e na Ásia e há registros de seu cultivo pelos celtas. Por aqui, a planta, famosa por seu sabor pronunciado, é mais usada na culinária nordestina - peixes e frutos do mar combinam com o aroma do ingrediente. Também há quem use a erva para fazer tempero de conservas e na massa de pães. A folha da planta também pode ser tritura e misturada com pimenta do reino, formando um excelente tempero. Atenção na hora de dosar a pitada: o cominho é muito forte. Na Europa o ingrediente também aparece em salsichas e embutidos e até mesmo em licores. De sabor forte, deve ser usado em pequenas quantidades em pratos à base de queijos, ovos, carnes, oves, batotas e legumes. Também recomendado no preparo de molhos e pães. Vai bem até no feijão. As sementes moídas são muito usadas para o tempero de picles.

As folhas de Cominho são bastante aromáticas, sendo um tempero importante na cozinha Nordestina. Experimente antes de usar, pois o gosto do Cominho é forte. Utilizado para perfumar pães, o Cominho é adicionado diretamente à massa.

É uma planta herbácea de raízes finas e ramificadas em segmentos finos e possui flores brancas ou rosadas. Nessas flores, encontram-se suas sementes, que são muito aromáticas.

Em grãos, inteiros e moídos, pode ser usado em carnes, aves, sopas, queijos, pães e licores. Faz parte da mistura de condimentos indiana curry e o tempero marroquino ras-el-hamout, uma mistura de cerca de 50 ingredientes.

quarta-feira, 17 de outubro de 2012

LAGARTO AO MOLHO DE ALCAPARRAS

100_3685_GF

INGREDIENTES

1 ½ kg de lagarto;

1 xícara de vinagre de vinho tinto (ou vinho branco);

1 xícara de água (usei a do cozimento);

1 xícara de azeite;

2 colheres (chá) de sal;

1 ½ colher (sopa) de alcaparras;

½ xícara de azeitonas pretas picadinhas;

1 colher (chá) de raspas de limão;

1 ½ xícara de tomate sem pele e sem semente picados;

cenoura e brócolis cozidos al dente (não utilizei);

Acredito que os ingredientes variam conforme o gosto de quem faz, tipo assim: utilizei meia cebola... poderia ter colocado uns dentes de alho picadinhos. Ia ficar mais picante.

MODO DE FAZER

Cozinhe o lagarto em 1 ½ litro de água em panela de pressão por 40 minutos. Escorra. Leve ao freezer por 4 horas, Retire, corte pedaços bem fininhos. Junte os ingredientes, fazendo camadas de molho e de carne. Deixe na geladeira e pode ser servido com pão para o lanche.

quarta-feira, 10 de outubro de 2012

BRANDADE DE BACALHAU

100_5948_GF

Jantar caprichado precisa começar bem. Esta brandade é uma entrada clássica. Servida em porções menores, vira um luxuoso canapé.

INGREDIENTES

400 g de bacalhau desfiado

500 g de de batata

2 dentes de alho

1/4 maço de salsinha

1/2 xícara (chá) de creme de leite fresco

sal e pimenta-do-reino a gosto

noz-moscada a gosto

2 colheres (sopa) de azeite de oliva

6 fatias de pão torrado (de sua preferência)

MODO DE PREPARO

1. Se o bacalhau estiver salgado, coloque-o numa tigela com bastante água. Troque a água da tigela de 1 em 1 hora, durante 5 horas.

2. Faça um purê com as batatas. Numa panela, coloque as batatas, cubra com água e leve ao fogo alto. Quando ferver, abaixe para fogo médio e deixe cozinhar por 30 minutos ou até que estejam macias. Retire do fogo e escorra a água. Deixe esfriar o suficiente para conseguir manusear. Descasque as batatas e amasse com um garfo ou passe pelo espremedor.

3. Pré-aqueça o forno a 180ºC (temperatura média).

4. Descasque os dentes de alho. No processador de alimentos, coloque o purê de batatas, o bacalhau, o alho e o creme de leite. Tempere com sal, pimenta-do-reino moída na hora e noz-moscada ralada. Bata em velocidade alta até obter uma massa homogênea.

5. Transfira a massa para uma travessa refratária. Leve-a ao forno preaquecido e deixe assar até dourar.

6. Lave e seque bem a salsinha. Separe os raminhos com as mãos.

MONTAGEM

Espalhe a massa de peixe generosamente sobre as fatias de pão torrado. Regue com o azeite de oliva e decore com os raminhos salsinha. Sirva a seguir.

Fonte: Chef Clo Dimet

domingo, 7 de outubro de 2012

COENTRO

Coentro

Coentro (Coriandrum sativum)

Do latim coriandrum, significa “cheiro de percevejo” devido ao aroma forte exalado por todas as partes verdes da planta. Os grãos, por sua vez, possuem aroma agradável, principalmente depois de secos. Tem origem no oriente Médio, foi levado para a Europa pelos romanos que, para conservar carnes, esfregavam-na com uma mistura de coentro, vinagre e cominho.

Da família dos Cheiros Verdes, parente da salsa, com sabor e perfume mais estimulantes. A folha de Coentro é um tempero indicado para pratos de peixe e frutos do mar, principalmente no Norte do Brasil. A semente inteira é utilizada no preparo de ponches, pickles, doces e no café. A semente de Coentro é industrialmente utilizada na produção de salsichas, linguiças e mortadelas. A semente moída, esfregada em carne de porco ou frango, antes de assar, é sensacional; excelente também para molho de carnes.

Há quem torça o nariz e não suporte um pedacinho sequer de folha de coentro. Mas também há aqueles que temperam da moqueca ao simples feijão com bons punhados do tempero. O famoso cheiro-verde, tão usado nos pratos tradicionais do nordeste, começou a ser cultivado no sul da Europa e no Oriente Médio. Especula-se que o ingrediente tenha chegado por aqui na bagagem dos portugueses da região do Alentejo. Hoje, qualquer feira brasileira vende o ingrediente aos montes, mas o que poucos sabem é que a semente do coentro também pode ser consumida. Industrialmente ela é utilizada na fabricação de salsichas, mortadelas e outros embutidos. O tempero também é rico em vitaminas A, B1, B2 e C.

As folhas do coentro são aromáticas e podem ser empregadas para tempero de peixes e moquecas. É utilizado também em cozinhas mais exóticas, como a tailandesa e a mexicana.

Coentro (folhas): Da família dos cheiros-verdes, parente da salsa, com sabor e perfume bem estimulantes. A folha é indicada para pratos de peixe e frutos do mar. Deve ser usada com parcimônia, pois seu sabor é acentuado.

Coentro (sementes): A semente moída, esfregada em carne de porco ou frango, antes de assar, é sensacional. Bom também para molho de carnes. A semente inteira é usada no preparo de ponches, pickles, doces e no café. Também usado no tempero de peixes, carnes, aves, assados ou grelhados, molhos, sopas de feijão, lentilhas e legumes. Também muito utilizado em pratos da culinária baiana, destacando-se as moquecas e as caldeiradas de peixes e frutos do mar.

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

SUFLÊ DE CHOCOLATE LIGHT

100_5988_GF

INGREDIENTES

115 g de chocolate picado

500 ml de leite

Essência de baunilha

4 gemas

100 g de adoçante de frutose

60 g de farinha de trigo

6 claras

MODO DE PREPARO

Unte um refratário ou outra vasilha que queira com manteiga e polvilhe com o adoçante com a ajuda de uma pequena peneira, pois assim fica parecido com açúcar de confeiteiro.

Pré-aqueça o forno a 220 graus. Derreta o chocolate em banho-maria.

Ferva o leite junto com a baunilha.

Bata as gemas com o adoçante até ficar amarelo esbranquiçado.

Vá misturando em banho-maria as gemas ao leite, adicione o trigo (peneirado) e deixe engrossar.

Adicione o chocolate derretido, misture e deixe amornar.

Bata as claras em neve e misture 1/3 das claras como creme de chocolate, mas delicadamente com uma colher. Aos poucos vá adicionando o restante das claras.

Distribua a mistura no refratário e leve ao forno por 10 minutos. Diminua o forno para 190 graus e mantenha por mais 10 minutos.

Polvilhe o adoçante peneirado e sirva.

DICA

Eu experimentei gelado e gostei mais, mas fica a critério de cada um.

Obs.: A receita original tem como ingrediente o açúcar e açúcar de confeiteiro que eu substituí por adoçante de frutose.

Fonte: Gustavo Corrêa (Itamaraty Eventos)

segunda-feira, 1 de outubro de 2012

O que é produto light? Conheça as curiosidades dos produtos.

Verduras e legumes

Pra quem vê o monte de informação que os rótulos dos alimentos sempre trazem, é fácil se confundir às vezes. Produto light, diet, natural, zero, orgânico... É tanta coisa, que a gente corre o risco de levar gato por lebre. Mas pra te ajudar nessa, a gente resolveu falar um pouco sobre o assunto...

AFINAL, O QUE É UM PRODUTO LIGHT?

É o que tem pelo menos 25% de redução de algum nutriente ou das “calorias” em comparação com os similares do mercado ou com uma outra versão dele mesmo. Mas fique esperto: nem todo produto light é saudável de verdade. Às vezes a versão “original” pode estar tão lotada de sódio, gordura, açúcar ou outra coisa dessas, que a versão light nem representa uma redução tão grande do prejuízo...

DIET E LIGHT É A MESMA COISA?

De jeito nenhum. Enquanto no produto light o nutriente é só reduzido (mas ainda está presente), no diet ele é totalmente retirado. E pode ser qualquer nutriente. Isso mesmo, qualquer nutriente, e não necessariamente o açúcar, como a gente costuma ver por aí (produto diet sem açúcar é apenas um tipo de diet).

E aqui, mais uma vez vale o recado: nem tudo o que reluz é ouro! Nem tudo o que é diet faz bem! Isso vai depender do que se usa no lugar do ingrediente que foi tirado. Por exemplo, é muito comum produtos diet sem açúcar virem lotados de adoçantes artificiais e gorduras pra compensar a falta do açúcar.

O QUE É PRODUTO ZERO?

Zero e diet é praticamente a mesma coisa, pois eles não têm algum nutriente/ingrediente.

AGORA A MODA É... ORGÂNICO!

E cá entre nós, uma moda fantástica! Os orgânicos são produtos que não levam agroquímicos durante o cultivo (os famosos “agrotóxicos”) – lembrando que está mais que provado que esse monte de agroquímicos usados no Brasil faz um mal danado pra saúde. Além disso, os orgânicos são produzidos com um cuidado especial para preservar o meio ambiente e os direitos do trabalhador do campo.

E ESSE PAPO DE “CONTÉM GLÚTEN”, QUER DIZER O QUÊ?

O glúten é uma proteína natural do trigo, da aveia, da cevada e do centeio. Ela não necessariamente faz mal pra todo mundo, a não ser em casos de alergia ou pra quem tem doença celíaca (que é uma inflamação do intestino que aparece quando a pessoa come alimentos com glúten, e pode levar a diarreia, desnutrição e até morte, se não for cuidada). É por isso que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) exige que as empresas informem nas embalagens se o produto CONTÉM / NÃO CONTÉM GLÚTEN.

NATURAL TEM A VER COM INTEGRAL?

Não necessariamente, mas é bem comum o alimento ser natural e integral ao mesmo tempo. Natural é o mais próximo da natureza, que não recebe aditivos artificiais como corantes, conservantes ou aromas artificiais, que muitas vezes aparecem disfarçados em forma de siglas na lista de ingredientes – olha aí mais uma dica pra ficar de olho nos rótulos.

Já o alimento integral é o que preserva as principais partes, onde estão os seus benefícios. É o contrário do produto refinado/”branco”, que perde partes importantes (como o arroz branco ou mesmo a farinha de trigo branca) e não fazem nada bem pro nosso corpo. Hora da dica: pra ver se o produto é integral mesmo, leia a lista de ingredientes. Cada item da lista aparece em ordem decrescente de quantidade, o que significa que os primeiros são os que estão em maior quantidade. Açúcar e farinha branca, por exemplo, quanto mais próximos do fim da lista, melhor.

Fonte: http://www.maeterra.com.br/

Compartilhar

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favoritos More